quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

Mais 2 novidades a enriquecer o Fundo Local

Contos e Poemas de Natal de José Ramos Mendes

Contos e Poemas de Natal é uma edição póstuma, que reúne um conjunto de textos relacionados com o Natal, escritos pelo Prof. José Ramos Mendes e apresentado durante as comemorações dos 20 anos da Rede de Bibliotecas do Concelho de Arganil.

Conforme se pode ler no prefácio, por Marta Ramos Mendes, este "é um livro para ler, não só no Natal, mas também durante todo o ano. É um livro para pequenos e grandes. É um livro para ler em família. É um livro para refletir, e principalmente, para eternizar uma memória..."

No meu tempo... /Org. CLDS 3 G - Arganil +inclusiva

O livro No meu tempo... retrata os encontros intergeracionais decorridos entre 2016 e 2018, promovidos pelos CLDS 3 G de Arganil em parceria com o Agrupamento de Escolas de Arganil. Estão nele registados os vários encontros realizados, as experiências e as histórias trocadas entre as diferentes gerações que deram vida a este projecto.

Livros disponíveis para empréstimo na Rede de Bibliotecas do Concelho de Arganil.

Leia, porque ler é um prazer!

quarta-feira, 12 de dezembro de 2018

Sugestões de leitura da Sala Jovem VIII

A rainha de Tearling de Erika Johansen

Durante dezoito anos, o destino de Tearling ficou nas mãos do Regente, manipulado pela Rainha Vermelha, uma feiticeira implacável que governa o reino vizinho de Mortmesme. Porém, Kelsea Glynn, sobrinha do Regente, é a legítima herdeira do trono. Quando completa dezanove anos, está pronta para reclamar o que é seu - e assim regressa do exílio com o objetivo de tornar Tearling um reino livre de pobreza, opressão e escravatura. Mas Kelsea é jovem, ingénua e cresceu longe da corrupção e dos perigos que assolam o reino. Cedo lutará pelo trono e pela própria sobrevivência, num caminho de crescimento em que aprende a lidar com uma herança muito pesada.

Fonte: contracapa do livro


Viagem ao mundo da droga de Charles Duchaussois

Charles Duchaussois descreve neste livro a terrível experiência de um drogado a partir da sua vivência pessoal. Vagabundo, traficante, marginal em relação à sociedade, aventureiro internacional profundamente envolvido no negócio. Duchaussois, ele próprio um viciado, chegou à derradeira miséria física e moral.
Em França, no Médio e no Extremo Oriente, o autor narra uma vida entrecortada de incidentes, dos quais, a pouco e pouco, principia a emergir. E desse modo, o que era a descrição de uma queda vertical no abismo, é também a narrativa de uma recuperação, se não mesmo de uma cura. Duchaussois faz-nos viajar ao mundo da droga para nos mostrar a degradação a que nos conduz.

Fonte: badana do livro

Livros disponíveis para empréstimo na Rede de Bibliotecas do Concelho de Arganil.

Lê porque  ler é um prazer!

terça-feira, 11 de dezembro de 2018

Tempo para a poesia XLII - Especial Natal

Pequena antologia de poemas sobre o Natal de poetas de Língua Portuguesa, organizada por João Alves das Neves e publicada na "A Comarquinha" nº 120 (7.12.2000), suplemento do Jornal "A Comarca de Arganil".

quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

Fundo local enriquecido: Habitação na Beira Serra de Lisete de Matos

"A casa é (...) o espaço privilegiado de reprodução da força física e anímica de que a produção económica carece para produzir mais e melhor. Talvez por isso a habitação constitua um direito (...) e persista como um dos principais símbolos de prestígio e estatuto social, embora o quotidiano apressado de hoje e o individualismo dos costumes se apresentem pouco favoráveis à partilha do espaço doméstico. (...)

A evolução da habitação, que o tempo clima foi exigindo e o tempo devir cimentando, processou-se a acompanhar as necessidades e os modos de vida das famílias e dos povos, em estreita articulação com as características geomorfológicas dos territórios, as conquistas civilizacionais, e o poder económico associado aos itinerários protagonizados. (...)

É pois, enquanto reflexo da atividade humana e componente essencial do património construído e cultural que elegemos a habitação serrana e, por inerência, a respetiva arquitetura de produção (fornos, alambiques, galinheiros, palheiros e currais, moinhos, lagares e tulhas) como objeto de reflexão nesta obra. (...)

Sem sermos especialistas na matéria, trata-se, uma vez mais, de um trabalho muito singelo, com o qual pretendemos partilhar o fascínio com que observamos a paisagem e as aldeias transformadas em repositório de engenho e tenacidade, afeto e história das pessoas e dos seus modos de vida! ... para além de homenagear "os operários em construção" do passado e do presente, pretendemos contribuir para o reforço da identidade e da pertença à serra e à terra ao mesmo tempo que conferimos visibilidade à riqueza e diversidade do património edificado serrano.

Excertos da Introdução por Lisete de Matos

Livro disponível para empréstimo na Rede de Bibliotecas do Concelho de Arganil.

Leia, porque ler é um prazer!

terça-feira, 4 de dezembro de 2018

Sugestões de leitura da Sala Jovem VII

Quando a amizade me seguiu até casa de Paul Griffin

Ben é órfão, tem doze anos e nunca foi bom a fazer amigos. Depois de ter conhecido sucessivas famílias de acolhimento, está consciente de que as pessoas se podem afastar de um dia para o outro. Ben gosta de passar o seu tempo a ler livros de ficção científica. Porém, tudo muda na sua vida quando resgata um rafeiro que encontrou nas traseiras da biblioteca de Coney Island. Flip, o cãozito, leva-o a travar amizade com uma rapariga chamada Halley - sim, o mesmo nome do cometa. Halley também devora livros e convence Ben a escrever um romance com ela. À medida que a escrita do livro avança, Ben vê-se confrontado com uma série de peripécias e com o significado da amizade e da família.

Quando a Amizade me Seguiu Até Casa é uma história adorável que emociona e encanta qualquer leitor.


“O meu estômago já roncava na altura em que o último toque de campainha soou e nos libertou para o fim de semana. Meti pelo passadiço em direção à biblioteca. A Sra. Lorenz tinha sempre um prato de bolachas com pepitas de chocolate Chips Ahoy! no balcão da receção.
Sentia-me bastante em forma para alguém a quem tinham roubado o dinheiro da piza. Não se pode estar triste em Coney Island num dia de sol, em setembro. O mar brilhava. O ra tinha um cheiro salgado e doce. O meu audiolivro estava quase a atingir o seu ponto alto. É claro que eu não podia ser apanhado a andar por aí com um livro livro. Era como pedir sarilhos. Pus mais alto o som dos meus auscultadores e dos Herdeiros do Império, do Timothy Zan. As coisas não estavam a correr bem para Han Solo. Caças do Thrawn precipitavam-se sobre a nave espacial Millenium Falcon. O som foi cortado quando alguém veio por trás de mim e me arrancou os auscultadores da cabeça.
- Quem é que compra auscultadores amarelos – disse aquela rapariga, a Angelina Caramello. Era mesmo muito bonita, apesar de ser amiga do Damon Rayburn. – parece que tens limões a crescerem-te das orelhas.”
Excerto do 2º capítulo.


Um beijo no pé de Maria Teresa Maia Gonzalez

Miguel e Filipa conhecem-se desde os sete anos e aquilo que começou com uma amizade ternurenta e inabalável evoluiu para uma paixão sem limites, que não admite interferências nem obstáculos. Mas, agora com dezassete anis, no auge desse amor arrebatado, a tragédia bate-lhes à porta quando Filipa engravida e os pais a pressionam a interromper a gravidez, contra a vontade dos dois namorados. A estes adolescentes não resta outra alternativa senão confrontarem-se com uma realidade desprovida de ilusões, com os seus medos e fragilidades, e reinventarem um amor capaz de resistir àqueles momentos em que o vazio se instala e parece devorar toda a alegria e esperança à sua volta.

Fonte: contracapa do livro


Gostaste destas sugestões?


Lê, porque ler é um prazer!

segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

Livro do mês: Macbeth de Jo Nesbo

Passado nos anos 70, numa cidade industrial cinzenta e chuvosa, a força policial da zona está concentrada em acabar com um persistente problema de drogas. Duncan, chefe da polícia, é um idealista e visionário, um sonho para a população e um pesadelo para os criminosos. O comércio das drogas é liderado por dois homens, um dos quais, mestre da manipulação chamado Hécate, tem ligações aos poderes mais altos. E pretende usá-las para conseguir escapar ileso. 

O seu plano consiste em manipular, de forma consistente e persistente, o inspetor Macbeth, um homem já de si susceptível a tendências paranoides e violentas. O que se segue é uma história irresistível de amor e culpa, de ambição política e inveja, que explora os recantos mais negros da natureza humana, assim como as aspirações da mente criminosa. 

Fonte: contracapa do livro

Opinião de leitor

Macbeth de Jo Nesbo insere-se na colecção “Bertrand Shakespeare” e foi fruto de um desafio lançado pela editora Hogart que convidou os seus autores a recriar em romance peças de Shakespeare, como forma de assinalar os 400 anos da morte deste famoso dramaturgo. Mesmo para aqueles que não têm conhecimentos profundos sobre a obra Shakesperiana a analogia é fácil de identificar: Nomes de personagens, locais, situações…
O livro não foi o melhor de Jo Nesbo que já li. É um policial, em que há uma grande disputa pelo poder e ao longo do enredo parece constantemente que os bons não vingam... e mesmo quando se chega ao final da história, com o desaparecimento de cena de Macbeth, quando finalmente parece que o bem vai triunfar, ali ficam as pontas soltas... recordando "os recantos mais negros da natureza humana"...
Miriel de Vocht

Para saber mais consulte:

Livro disponível para empréstimo na Rede de Bibliotecas do Concelho de Arganil.

Leia, porque ler é um prazer!

quinta-feira, 29 de novembro de 2018

Reggae jamaicano é Património Imaterial da Humanidade

Foi hoje inscrita na lista do Património Cultural Imaterial da Humanidade a música reggae jamaicana.

De acordo com um comunicado divulgado hoje, a UNESCO destacou "a contribuição" desta música para a consciência internacional "sobre questões de injustiça, resistência, amor e humanidade".

O reggae "preserva toda uma série de funções sociais básicas da música - sujeita a opiniões sociais, práticas catárticas e tradições religiosas - e continua a ser um meio de expressão cultural para a população jamaicana como um todo", sublinha-se no mesmo comunicado.

Bob Marley and The Wailers foram os ícones mais importantes e influentes da música jamaicana e da sua difusão pelo mundo.

Se pretende saber mais sobre este tema consulte:
Na Biblioteca Municipal de Arganil temos disponíveis:

DVD Marley Magic Live in Central Park at Summerstage (1996)
DVD Catch a Fire
No women no cry: a minha vida com Bob Marley
De Rita Marley com Hettie Jones
Cruz Quebrada: Casa das letras, 2006

terça-feira, 27 de novembro de 2018

Tempo para a poesia (XLI)

Ritual da chuva

Desde os tempos antigos,
     vem a chuva,
     vem a chuva comigo.
Da montanha de Água,
de seus cumes altíssimos,
     vem a chuva,
     vem a chuva comigo.

Entre a luz dos relâmpagos,
relâmpagos que brilham,
fulmíneos relâmpagos,
     vem a chuva,
     vem a chuva comigo.

Entre andorinhas,
andorinhas azuis
que gritam, que gritam,
     vem a chuva,
     vem a chuva comigo.

Atravessando o pólen,
o pólen sagrado,
vestida de pólen,
     vem a chuva,
     vem a chuva comigo.

Desde os tempos antigos,
     vem a chuva,
     vem a chuva comigo.

Herberto Helder in Poesia Toda I

Consulte o catálogo concelhio da Rede de Bibliotecas do Concelho de Arganil e descubra quais os livros do autor que temos disponíveis para si!

Leia, porque ler é um prazer!