quarta-feira, 19 de julho de 2017

Bicentenário da Morte de Jane Austen

Único retrato original de Jane Austen,
aguarela feita por Cassandra Austen, 1810.
Autora de clássicos como Orgulho e preconceito, Sensibilidade e Bom Senso e Emma, Jane Austen foi uma das mais importantes romancistas inglesas. Nasceu a 16 de Dezembro de 1775 e faleceu a 18 de Julho de 1817, celebrando-se este ano o bicentenário da sua morte.

O que há em Jane Austen que a mantém mais viva do que o foi no seu próprio tempo?
"Os enredos das seis obras-primas que deixara completas, aparentemente tão semelhantes entre si, poderiam ficar-se pela inóspita categoria de ‘literatura leve’, não fosse a complexidade verbal entre linhas, entre páginas, a análise fulgurante e intrincada das relações sociais e familiares, o retrato de tantas personagens inesquecíveis, tudo acompanhado pelo som da música dos bailes e das festas, amarfanhado nas pregas dos vestidos ou na poeira dos caminhos, atordoado nas deslocações pelas estradas de Inglaterra, no caos do tempo e das paixões, mas destinado a uma harmonia final e longamente desejada", escreve Helena Vasconcelos, crítica literária do PÚBLICO, grande conhecedora da obra de Jane Austen. É um excerto de Não Há Tantos Homens Ricos Como Mulheres Bonitas que os Mereçam (Quetzal, 2016), uma ficção/ensaio de Vasconcelos a partir da vida e da obra da autora que entrou no cânone com livros como Orgulho e Preconceito, Sensibilidade e Bom Senso, Emma ou Mansfield Park. 
Fonte: Público
Para saber mais sobre a escritora e a sua obra consulte:

Talento e ironia. Jane Austen, 200 anos depois por Maria João Marques - Observador
Jane Austen's facts and figures – in charts por Adam Frost, Jim Kynvin and Amy Watt - The Guardian

Aceda ao catálogo da Rede de Bibliotecas do Concelho de Arganil e veja quais os livros da autora que temos disponíveis para si.

Leia, porque ler é um prazer!

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Sugestão de leitura: O homem domesticado de Nuno Gomes Garcia

Nuno Gomes Garcia, finalista do Prémio Leya 2015 com um romance histórico dotado de grande poder de fabulação, O Dia em que o sol se apagou, regressa com O Homem Domesticado, uma das raras distopias escritas por autor português. (...)
O Homem domesticado explora um futuro regido por um Estado Totalitário mas desenvolve-se no sentido do labirinto de complexos sentimentais e do tradicional esquema da intrigas policial (...)
Uma bela distopia de natureza policial - empolgante e enigmática como todos os romances policiais. 

Miguel Real in Jornal de letras nº 1220
E se a sobrevivência da humanidade dependesse da absoluta submissão do homem à mulher?

Desde o tempo em que Marine alcançou o poder, dando início a uma nova era, a sociedade foi-se progressivamente desumanizando: os conceitos de amor e de amizade deixaram de fazer sentido, os prazeres são malvistos e o sexo está proibido pelo novo regime totalitário, até porque a reprodução passou a ser padronizada e desenvolvida artificialmente em laboratórios. As mulheres tornaram-se senhoras do mundo e submeteram os homens à condição de escravos – machos domesticados que, vivendo no medo e na ignorância, lavam, cozinham, obedecem, calam, saem à rua cobertos da cabeça aos pés.

A cidadã Francine Bonne é aconselhada pelas autoridades a escolher um segundo marido, depois de Pierre ter sido considerado um peso morto; mas desconhece que, ao trazer para casa um macho que foge ao cânone e cuja origem está envolta em mistério, a sua vida e a de Pierre sofrerão uma absoluta transformação. A ponto de o regime se sentir abalado com a possibilidade de um suposto retrocesso civilizacional...

Amores proibidos, subversão, crime, reeducação coerciva – tudo se combina magnificamente neste romance a um tempo sensual e cerebral: uma distopia à maneira de 1984, de George Orwell, que reflete de forma lúcida e desafiante sobre as problemáticas que caracterizam a sociedade atual.

Fonte: www.leya.pt


Se gostou pode requisitar o livro na Rede de Bibliotecas do Concelho de Arganil.

Leia, porque ler é um prazer!

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Novidade na Biblioteca: A rainha Ginga de José Eduardo Agualusa

Personalidade originalíssima da história de África e do Mundo, ao mesmo tempo arcaica e de uma assombrosa modernidade a rainha Ginga tem fascinado gerações, desde o Marquês de Sade até as feministas afro-americanas dos nossos dias.

Através deste romance, José Eduardo Agualusa conta a história de uma relação de amor e de combate permanente entre Angola e Portugal, narrada por um padre pernambucano que atravessou o mar e recorda personagens maravilhosos e esquecidos da nossa história - tendo como elemento central a Rainha Ginga e o seu significado cultural, religioso, étnico e sexual para o mundo de hoje.

Leia aqui as primeiras páginas do livro.

Se gostou pode requisitar o livro na Rede de Bibliotecas do Concelho de Arganil.

Leia, porque ler é um prazer!

quinta-feira, 6 de julho de 2017

Tempo para a poesia XIX

Letra de Fernando Araújo Muralha, música de Ferrer Trindade
In: A Comarca de Arganil nº 3639 (09.05.1950), p. 2

(clique sobre a imagem para aumentar)

terça-feira, 4 de julho de 2017

Novidade na Biblioteca: No país das últimas coisas de Paul Auster

Esta é a história de Anna Blume e da sua jornada em busca do irmão desaparecido numa cidade sem nome. Mas tal como a cidade, a sua tarefa está condenada. A cidade transformou-se num campo de batalha onde imperam a miséria, violência e a selvajaria. Todos procuram algo ou alguém que desapareceu. Todos lutam para suprir a fome: no sentido literal, uma vez que os alimentos são escassos; e fome também no sentido abstracto, pois os últimos resquícios de humanidade impelem os cidadãos a procurar o amor e a partilha de linguagem e significado. 

Através da solidão de Anna, Paul Auster conduz-nos a um mundo indeterminado e devastado no qual o eu desaparece entre os horrores a que o lento apagar da moral humana conduz. Não se trata apenas de um mundo imaginário e futurista - mas de um mundo que reflecte o nosso e, ao fazê-lo, lida com algumas das nossas mais sombrias heranças. Nesta visão apocalíptica de uma cidade despojada da sua humanidade, pulsa um inesquecível romance sobre a condição humana.

Fonte: contracapa do livro

"Quando caminhamos pelas ruas, prosseguiu ela, há uma coisa que temos de ter sempre bem presente: dar apenas um passo de cada vez. Caso contrário, a queda é inevitável. Os nossos olhos têm de estar constantemente abertos, apontados para cima, apontados para baixo, apontados para a frente, apontados para trás, atentos ao eventual aparecimento de outros corpos, sempre de sobreaviso contra o imprevisível. Chocar com alguém pode ser fatal. Quando duas pessoas chocam, desatam logo ao murro uma à outra. Ou então caem redondas no chão e não fazem nenhum esforço para se levantarem. Mais tarde ou mais cedo, surge um momento em que uma pessoa já não faz nenhum esforço para se levantar. É a dor imensa dos corpos, compreendes e para isso não há cura. E, aqui, o sofrimentos dos corpos é mais atroz do que em qualquer outro lugar."
Livro disponível para empréstimo na Rede de Bibliotecas do Concelho de Arganil.

Leia, porque ler é um prazer!