sexta-feira, 19 de outubro de 2018

Sugestão de leitura: Noites no circo de Angela Carter


Noites no circo é o penúltimo romance de Angela Carter e conta a extraordinária e peripatética vida de Sophie Fevvers, uma artista de circo. Angela Carter apresenta nesta aventura circense uma sofisticada e divertida reflexão sobre a agilidade das fronteiras que inventamos para separar o real do ilusório. 

Este romance não só ganhou o prémio Memorial James Tait Black quando foi publicado pela primeira vez em 1984, mas ganhou também o prémio James Tait Black em 2012. 


«Chamo-me Jack Walser, e sou cidadão americano. Ingressei no circo do Coronel Kearney com o objectivo de deleitar o meu público leitor com relatos de uma série de noites no circo e, como palhaço, actuei perante o Czar de Todas as Rússias com grande sucesso. Fui descarrilado por salteadores na Transbaikalia e vivi como feiticeiro entre os nativos durante algum tempo. Permitam que lhe apresente a minha mulher, a Srª Sophie Walser, que até aqui seguia uma carreira triunfante no palco do espectáculo de variados sob o nome de-» 

Fevvers: a célebre beldade das capitais europeias, cortejada por príncipes, retratada por Toulouse Lautrec, a maior trapezista do seu tempo. 

Feverrs: a artista dos indolentes saltos mortais, suspensa entre o século dezanove e o século vinte, entre sonhos antigos e projectos novos, nascida de um irreal abrir de asas. 

Obcecado por ela, constantemente enganado pela magia anarquista de Lizzie, sua confidente e costureira, Jack Walser parte para uma viagem que o levará de Londres à Sibéria, a um universo de perigo e alegria onde a vida não passa de um enorme e delirante jogo. 

Fonte: Badana do livro

Para saber mais sobre a autora e a obra consulte: 
Livro disponível para empréstimo na Rede de Bibliotecas do Concelho de Arganil

Leia, porque ler é um prazer! 

terça-feira, 16 de outubro de 2018

Declaração dos Direitos de Literacia dos Cidadãos Europeus




Conscientes de que ainda falta fazer muito para os cidadãos dos países europeus atingirem níveis adequados de literacia, um grupo de especialistas internacionais da European Literacy Policy Network (ELINET) desenvolveu a Declaração dos Direitos de Literacia dos Cidadãos Europeus, com  a qual pretende demonstrar que “com o apoio certo e no momento certo, tanto crianças e jovens como adultos podem desenvolver e melhorar as suas competências e, deste modo, ocuparem o lugar a que têm direito na sociedade.” 

Na Declaração são enumeradas as 11 condições necessárias para pôr em prática o direito à literacia:
  1. As crianças devem ser estimuladas para a literacia em casa.
  2. Os pais devem receber apoio para ajudarem os seus filhos na aquisição da literacia.
  3. O desenvolvimento da linguagem e da literacia emergente exige um ensino pré- escolar acessível e de alta qualidade.
  4. A qualidade do ensino da literacia para as crianças, adolescentes e adultos deve ser entendida como uma questão central de todas as instituições educativas.
  5. Todos os professores devem ser preparados eficazmente para o ensino da literacia, tanto na sua formação inicial como contínua, para responder às exigentes tarefas que têm de desempenhar.
  6. As competências digitais devem ser promovidas em todos os grupos etários.
  7. A leitura por prazer deve ser ativamente promovida e estimulada.
  8. As bibliotecas devem ser acessíveis e ricas em recursos.
  9. As crianças e os jovens que têm problemas com a literacia
  10. Os adultos devem ser apoiados no desenvolvimento das competências de literacia necessárias para a sua participação plena na sociedade.
  11. Os políticos, os profissionais, os pais e as comunidades devem trabalhar juntos no sentido de garantir a igualdade no acesso à literacia, reduzindo as diferenças sociais e educativas.

sexta-feira, 12 de outubro de 2018

Sugestões de Leitura da Sala Jovem (III)

Nimona de Noelle Stevenson

Quando o vilão Lorde Ballister Coração Negro conhece uma rapariga misteriosa de nome Nimona, ambos são impelidos a uma parceria criminosa com o objetivo de lançar o caos no reino. Assumem como missão provar perante todos que Sir Ambrosius Virilha Dourada e os seus comparsas no Instituto Para a Aplicação da Lei & Heroísmo não são tão heroicos e nobres como todos julgam. 

Vão ocorrer imensas EXPLOSÕES. 

E CIÊNCIA E TUBARÕES também não vão faltar. 

Mas quando simples atos traquinas se transformam numa batalha sem quartel, Lorde Coração Negro descobre que os poderes de Nimona são tão misteriosos quanto o seu passado. E o seu lado selvagem poderá ser muito mais perigoso do que ele próprio está disposto a admitir… 

Fonte: contracapa do livro

O voo da Cotovia de Kathryn Erskine

Caitlin é uma menina de dez anos muito especial. Por sofrer da síndrome de Asperger, tudo o que não seja a preto e branco é-lhe confuso. Dantes, quando as coisas se tornavam confusas, Caitlin podia contar com a ajuda do irmão mais velho, Devon. Mas Devon morreu e o pai está tão perturbado que não lhe consegue estender a mão. É então que um dia Caitlin ouve a expressão «fazer o luto» e percebe que é exatamente aquilo de que precisa. Mas, para consegui-lo, terá de descobrir que o mundo está na realidade cheio de cores - estranhas e belas. 

Fonte: contracapa do livro

Descobre estes e outros livros na Sala Jovem da Biblioteca Municipal de Arganil.

Lê, porque ler é um prazer!

terça-feira, 9 de outubro de 2018

Sugestões de leitura sobre a Primeira Guerra Mundial (VI)

Em 1914 deflagrou uma guerra resultante dos conflitos internos europeus, a qual, embora não fosse a mais sangrenta nem a mais prolongada da história, nem em sentido estrito, como mais tarde foi classificada, a «primeira» guerra mundial, seria aquela em que se lutou mais intensamente e a maior em extensão geográfica ocorrida até ali, pois nela participaram nações de todos os continentes. Foi também mais dispendiosa do que qualquer outra e colocou exigências sem precedentes aos recursos existentes, mobilizando sociedades inteiras, em parte porque era a primeira em que as máquinas desempenhavam um papel esmagadoramente importante e também, em parte, porque pela primeira vez uma guerra foi transformada pela ciência. O nome mais adequado que se pode atribuir-lhe continua a ser, portanto, o simples, usado por aqueles que nela entraram: a Grande Guerra, que se justifica pelos efeitos psicológicos sem precedentes que provocou.

John M. Robert in Os impérios europeus
Beltrão, Luísa - Vitória: de amor e de guerra

Na madrugada de 4 de novembro de 1917, quando faziam exatamente cento e três dias sobre a saída de Vitória de Lisboa, Andrew dava entrada no hospital de Arras. E a vida de Vitória altera-se para sempre.
Desde que entrara no cenário de guerra, onde numa questão de segundos se podia viver ou morrer, ficar louco, cego ou sem braços, Vitória aprendera que a vida nos conduz, de forma sinuosa, para constantes acasos.
Chegara a França para acompanhar o marido, soldado do contingente português na Primeira Guerra Mundial, deixando para trás os filhos e a família tradicional que a moldara. Um acaso fá-la ingressar no corpo de enfermagem como voluntária num hospital inglês e, por outro acaso, estava de serviço naquela madrugada em que ficou incumbida de cuidar do soldado da cama sete. Um herói de guerra, médico, celebrizado nas trincheiras por salvar vidas.

Fonte: www.presenca.pt
Tudella, Luís Manuel de Oliveira de Noronha - Militares falecidos na grande guerra 1914-1918


Este trabalho da autoria de Luís Manuel Tudella consiste num levantamento dos militares,dos 19 concelhos que formam, actualmente, a Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra, mortos durante a Primeira Guerra Mundial na Europa e na África.
Ao longo de mais de quatro anos o autor recolheu dados e informação dos livros manuscritos e das fichas particulares do C.E.P. – Corpo Expedicionário Português, do Arquivo Histórico e Militar, a qual apresenta detalhadamente nesta obra que homenageia e perpetua “a memória desses jovens que na força da sua juventude tudo deram e nada receberam…”

Livros disponíveis para empréstimo na Rede de Bibliotecas do Concelho de Arganil.

Leia, porque ler é um prazer!

sábado, 6 de outubro de 2018

Sugestões de Leitura da Sala Jovem (II)

O ódio que semeias de Angie Thomas

Starr tem 16 anos e move-se entre dois mundos: o seu bairro periférico e problemático, habitado por negros como ela, e a escola que frequenta numa elegante zona residencial de brancos. O frágil equilíbrio entre estas duas realidades é quebrado quando Starr se torna a única testemunha do disparo fatal de um polícia contra Khalil, o seu melhor amigo. A partir daí, pairam sobre Starr ameaças de morte: tudo o que ela disser acerca do crime que presenciou pode ser usado a seu favor por uns, mas sobretudo como arma por outros. 

O Ódio que Semeias é um poderoso romance juvenil, inspirado pelo movimento Black Lives Matter e pela luta contra a discriminação e a violência.

Fonte: Badana do Livro


Leite e mel de Rupi Kaur

Esta é uma história de
sobrevivência através da poesia
é o sangue suor e lágrimas
de vinte e um anos
é o meu coração
nas tuas mãos
é
a dor
o amor
a separação
a cura


Descobre estes e outros livros na Sala Jovem da Biblioteca Municipal de Arganil

Lê, porque ler é um prazer!

quarta-feira, 3 de outubro de 2018

Tempo para a poesia XXXVIII


AMIZADE

Penso por instantes no amor,
e enquanto penso
o amor é para mim um mundo,
carne única, a mais doce bebida,
íntimo e comunicante
elo de união
entre o céu e a terra.

Sei apenas
que é a minha maior felicidade,
não sei como nem porquê;
por mais que tente,
nem que estivesse a morrer
lograria explica-lo.

Ao meu amigo bem perguntaria
como pode isso ser,
mas chegado o momento
o amor é para mim mais amoroso
que tudo o resto
e fico mudo.

Pois se a verdade fosse conhecida,
o amor não pode falar,
pode apenas pensar e actuar;
embora por certo isso transpire
sem ajuda do grego
ou qualquer outra língua.

Um homem pode amar a verdade
e praticá-la,
admirar a beleza,
não omitir a bondade,
tanto quanto isso possa convir
à reverência.

Mas só quando estas três e conjugam,
como elas sempre predispõem
e dão lugar a uma só alma
e a um refúgio favorito
da beleza;

quando sob forma afim, quais amores e ódios
e afim natureza,
elas proclamam que sejamos amigos
a iguais destinos expostos
eternamente;

e que cada qual pode o outro ajudar,
e auxílio prestar,
entrançando faixas de amor mais apertadas,
de tal nunca esse homem se arrependerá
enquanto um mais um forem dois
e dois forem um;
com isso só demonstra o homem por inteiro,
tão plenamente quanto o possa fazer,
o poder que há no amor.
E a sua alma mais íntima faz avançar
Irresistivelmente.
-----
Dois robustos carvalhos,
ou seja, ao lado um do outro,
enfrentam a tempestade da invernia,
e apesar do vento e da maré
o orgulho da campina cresce
porque ambos são fortes.

Por cima mal se tocam, mas escavando
até à sua fonte mais profunda
admirados veremos
que as raízes estão entrelaçadas
inseparavelmente.

Henry David Thoreau

tradução e versão de Júlio Henriques
In: A ideia: revista decultura libertária nº 81-83 (Outono 2017)

Nota biográfica: Henry David Thoreau (1817-1862) foi um ensaísta, poeta e memorialista norte-americano. As suas obras mais conhecidas são o ensaio Desobediência Civil (1849), no qual defende as liberdades civis e a resistência passiva contra os abusos do poder estatal, e a obra-prima Walden (1854).

terça-feira, 2 de outubro de 2018

José Saramago – Prémio Nobel da Literatura



“A 8 de Outubro de 1998 foi anunciado que o Prémio universalmente considerado como o mais importante ou prestigiado a distinguir, em diversas áreas, criadores e cientistas, tinha sido atribuído ao escritor português, autor de Memorial do ConventoO ano da Morte de Ricardo ReisA Jangada de PedraO evangelho Segundo Jesus CristoEnsaio sobre a Cegueira, entre outros romances maiores das nossas letras de sempre e marcantes na ficção contemporânea”

Jornal de Letras, Artes e Ideias nº 1252 (26.09.2018)* passados 20 anos sobre a atribuição do Nobel da Literatura a José Saramago, evoca numa série de artigos a sua vida e obra.

Aproveitando o repto, aqui no Blog convidamos os nossos leitores a conhecer ou a recordar a obra de José Saramago que um dia disse “escrevo para desassossegar, não quero leitores conformados, passivos, resignados”, galardoado com o Prémio Nobel da Literatura em 1998.

Aceda ao catálogo concelhio da Rede de Bibliotecas do Concelho de Arganil e descubra quais os livros de e sobre o autor que temos disponíveis para si.

Leia, porque ler é um prazer!

* Jornal disponível para consulta na sala de adultos da Biblioteca Municipal de Arganil